Estratégia proposta pelo governo estadual teve início nesta segunda-feira, dia 19

A secretaria de Saúde de Volta Redonda, por meio do Programa de Saúde na Escola (PSE), vai desenvolver uma ação nas escolas para promover a campanha de vacinação contra o HPV no município. “As gerentes das Unidades Básicas de Saúde e Básicas de Saúde da Família já estão em contato com as escolas públicas – que atendam estudantes dentro da faixa etária de abrangência da vacina – para marcar uma reunião de conscientização com os pais”, explicou a coordenadora do programa, Marcilea Dias de Sá, acrescentando que a ação deve ter início na próxima semana.

 

“O objetivo é explicar a importância de imunizar os adolescentes contra o vírus e conseguir autorização dos pais para fazer a vacinação dentro da escola”, explicou Marcilea, acrescentando que, após a reunião, uma equipe da unidade de saúde vai à escola aplicar a vacina.

 

Em Volta Redonda, as vacinas estão disponíveis em todas as Unidades Básicas de Saúde e Básicas de Saúde da Família. Os usuários devem procurar sua unidade de referência, de 8h às 17h, portando o cartão de vacina. Porém, levar as doses para dentro das escolas é uma orientação do Ministério da Saúde, que observou baixa procura pela vacina nas unidades de saúde em campanhas anteriores.

 

Davi, de 11 anos, que cursa o 6º ano; e Richard, de 13 anos, que está no 8º ano, ambos dentro da faixa que deve se imunizar contra o HPV, que está entre 11 e 14 anos, contam que não pensam em procurar uma unidade de saúde e que nunca havia conversado com os pais sobre o assunto. “Meu professor já falou sobre isso em sala de aula, mas não estou pensando em me vacinar não”, disse Richard, mostrando desconhecer a importância da vacina. Outro adolescente de 14 anos, Leonardo, também demonstrou desconhecimento sobre o tema. “Nunca ouvi falar do assunto e não me lembro se algum professor comentou sobre a vacina”, disse.

 

Diferentemente dos meninos citados, Samira, de 17 anos, já fora da faixa de abrangência da vacinação do HPV para meninas, que vai de nove a 15 anos, disse que foi vacinada aos 15. “Fui orientada pelos meus pais. Na época não queria, tenho medo de vacina. Hoje tenho certeza de que fiz a coisa certa e oriento aos adolescentes que estão na faixa da vacina a se imunizarem, pois sei o que o HPV pode causar”, disse.

 

A coordenadora do PSE em Volta Redonda acrescentou ainda que a ação nas escolas vai marcar a implantação definitiva da Caderneta de Saúde do Adolescente em Volta Redonda. “Além do controle vacinal, a caderneta traz temas como dicas no aparecimento de espinhas e outros assuntos ligados à adolescência”, disse Marcilea.

 

As primeiras escolas a serem visitadas pelo Programa Saúde na Escola, na próxima semana, serão: Escola Municipal Lund Fernandes Villela e o Ciep Walmir de Freitas Monteiro.

 

Importância da imunização

 

A HPV quadrivalente, a partir desta ação, passou a atender os meninos de 11 a 14 anos. Os meninos, que passaram a ser contemplados com a vacina contra o HPV em janeiro de 2017, eram atendidos entre 12 e 13 anos. Esta ampliação fortalece as ações de saúde na população masculina e possibilita a prevenção da ocorrência de cânceres de pênis, anus, orofaringe e verrugas genitais.

 

A vacinação dos meninos também contribui para o aumento da proteção nas meninas, evitando o contágio. Nas meninas, que podem ser vacinadas entre nove e 15 anos, a principal consequência do HPV é o câncer de colo de útero.

 

A vacina contra o HPV é ministrada em duas doses, sendo que a segunda deve ser aplicada, no mínimo, seis meses após a primeira e, no máximo, até 12 meses.

 

MAIS VACINAS – Além da imunização contra o HPV, outras vacinas do Calendário Nacional de Vacinação do Adolescente estão disponíveis para atualização da caderneta vacinal. A meningocócica C, que evita doenças como a meningite, para adolescentes de doze a 13 anos; a tríplice viral, contra sarampo, caxumba e rubéola; antitetânica (dT), contra tétano e difteria; e para hepatite B.

 

Todas estas vacinas são encontradas nas unidades de saúde do município durante todo ano. Então, mesmo com o término do período de intensificação de vacinação proposto pelo governo do estado, os usuários podem procurar a unidade mais próxima de sua residência para a atualização de seu cartão vacinal.

Fonte: Ascom VR

Deixe uma resposta