Com duração de quatro anos, ação de recuperação ambiental contribuirá para promover a oferta de água e evitar o processo de erosão que causa o assoreamento dos rios e o aumento de correntezas

Na semana em que se comemora do Dia Mundial do Meio Ambiente, Barra Mansa se prepara para receber a maior ação de reflorestamento do município através do Projeto Águas de Barra Mansa que prevê o plantio de 50 mil mudas de espécies nativas da Mata Atlântica na bacia hidrográfica do rio Bananal e nas margens do rio Paraíba do Sul. A ação visa preservar as nascentes e as matas ciliares, promovendo a restauração florestal de uma área de 34,8 hectares, o equivalente a quase 35 campos de futebol. A iniciativa integra o Projeto Águas de Barra Mansa que o secretário estadual do Ambiente, Marco Aurélio Porto, e o presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Marcus Lima, o prefeito Rodrigo Drable e o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Carlos Roberto de Carvalho, o Beleza, lançam na próxima sexta-feira, dia 8, às 16 horas, em um evento que será realizado no Parque da Cidade, no Centro, e que terá como marco o plantio de mudas nativas por estudantes, moradores, convidados e instituições parceiras.

O plantio será realizado pela Secretaria de Estado do Ambiente (SEA) e o Instituto Estadual do Ambiente (INEA), em parceria com a Prefeitura de Barra Mansa. Os recursos para a ação de restauração florestal são oriundos do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), celebrado entre SEA, CECA, o INEA e a CSN – Usina Presidente Vargas. Esta é a primeira vez que Barra Mansa recebe investimentos ambientais com recursos provenientes de multa aplicada à CSN por dano ao meio ambiente. Outra parceria extremamente importante para a iniciativa é a adesão e a participação de 12 proprietários rurais inseridos na bacia do Rio Bananal. Eles contribuirão com a restauração de 32 hectares de nascentes e matas ciliares em suas propriedades.

O projeto faz parte do Programa Pacto pelas Águas e tem como finalidade o aumento da segurança hídrica a médio e longo prazo no Estado do Rio, através de ações de restauração e conservação florestal de áreas prioritárias de mananciais estratégicos tais como nascentes, margens de rio, áreas de recarga de mananciais e áreas úmidas. Com duração de quatro anos, a ação de recuperação ambiental contribuirá para promover a oferta de água, em qualidade e quantidade, para as atuais e futuras gerações. Estudos publicados por diversas instituições, como a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) e a WWF (Fundo Mundial para a Natureza), comprovam que as áreas recobertas por florestas garantem maior infiltração da água no solo e recarregam os aquíferos que alimentam os cursos d’água. Além disso, evita o processo de erosão que acaba causando o assoreamento dos rios e o aumento de correntezas.

Os rios Paraíba do Sul, Bananal e Açude Vista Alegre constituem os principais mananciais de abastecimento de Barra Mansa, sendo responsáveis pelo atendimento de mais de 175 mil habitantes ou aproximadamente 98% da população do município.

Foto: Paulo Dimas

Deixe uma resposta