Assessor do deputado é acusado de integrar máfia do futebol. Ele nega e afirmou que é vítima de perseguição

O assessor especial do deputado federal Alexandre Serfiotis (PSD), Anderson Florentino, presidente do Barra Mansa Futebol Clube (o da esquerda), pode ser afastado do comando do Leão do Sul. Na próxima segunda-feira (1°),  conselho deliberativo se reúne para decidir o futuro da direção do clube. A reunião acontecerá às 19 horas no Clube Municipal da cidade.

O presidente é acusado de fazer parte de um grupo criminoso organizado para obter vantagens mediante manipulação de resultados de partidas de futebol do Barra Mansa.  acusação é feita pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor.

Nesta quinta-feira (27), diversos mandados contra a quadrilha acusada de manipulação em jogos do Barra Mansa FC foram cumpridos em uma operação.

De acordo com o MP, a quadrilha atuava junto aos interesses de uma máfia internacional de apostas e manipulação de resultados de eventos esportivos. O líder da máfia ainda não foi identificado. A vantagem aceita pelos denunciados consistia no pagamento de quantias entre R$ 35 mil e até mais de R$ 150 mil por partida em que o Barra Mansa fosse derrotado seguindo os interesses da referida máfia.

Na hipótese do presidente do Leão do Sul seja destituído do cargo, quem assume o presidência interinamente é Sílvio Antônio Francisco, que é o presidente do Conselho Deliberativo do clube. Silvio será o responsável por convocação de uma nova eleição.

Procurado, o deputado Alexandre Serfiotis ( que tenta a reeleição) não foi encontrado para comentar as acusações contra seu assessor. A coordenação de campanha não viu com “bons olhos” o possível envolvimento de Andrinho em máfia. Entretanto, eles ponderaram dizendo que não há nada provado.

Fonte: tribunasf.com.br

 

 

Deixe uma resposta