Criança tem doença rara, chamada síndrome de Wiskott Aldrich, e precisa de transplante o mais rápido possível.

Uma família de Volta Redonda, no Sul do Rio de Janeiro, procura um doador de medula óssea compatível com o bebê Rafael, de oito meses. Ele tem uma doença rara, chamada síndrome de Wiskott Aldrich, e precisa de um transplante o mais rápido possível.

Segundo os familiares, os sintomas apareceram logo depois do parto. Pequenas manchas na barriga e sangue nas fezes. Rafael chegou a ficar mais de 20 dias internado em observação, mas os médicos não descobriam o que ele tinha. O diagnóstico só veio aos cinco meses.

De acordo com os médicos, só um transplante de medula óssea pode resolver o caso. A família está fazendo uma campanha para encontrar alguém compatível, e já levou 90 pessoas ao Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Rio de Janeiro, para coleta de material para avaliação. Uma van cedida pelo Corpo de Bombeiros sai toda semana para a capital com potenciais doadores.

A família conta que é uma corrida contra o tempo, já que a situação pode se agravar e evoluir para um câncer. O menino já foi submetido a várias transfusões de sangue. Ele não pode ter nenhum tipo de sangramento, já que as plaquetas são poucas e a coagulação é difícil.

Quem quiser ser ajudar e tentar ser um possível doador para Rafael, pode entrar em contato pelo telefone (24) 99901-7563 (Larissa de Oliveira Morais dias, mãe do Rafael).

Sobre a síndrome

A síndrome de Wiskott-Aldrich é uma doença decorrente de imunodeficiência de tipo hereditária, caracterizada pela produção anormal de anticorpos (imunoglobulina), células T (linfócitos) anômalos, por uma quantidade reduzida de plaquetas e por eczema.

Pessoas com a síndrome tendem a sangrar mais facilmente e o primeiro sintoma geralmente é diarreia sanguinolenta. O diagnóstico é baseado em resultados de exames de sangue e, algumas vezes, de testes genéticos. O transplante de células-tronco é necessário para preservar a vida.

                   Rafael tem seis meses e luta contra uma doença grave e rara que causa sangramentos – Foto: Divulgação

Deixe uma resposta