Todas as Unidades Básicas de Saúde estarão vacinando entre 8 e 17 horas; Até quinta-feira (25), Barra Mansa já havia vacinado 123.669 mil pessoas, porém a meta é alcançar 155 mil pessoas

 

Barra Mansa participa nesta sábado (27), do Dia D de vacinação contra a febre amarela. Todas as 49 Unidades Básicas de Saúde participam da campanha, oferecendo a dose única da vacina das 8 às 17 horas. A campanha, organizada pela Secretaria de Estado de Saúde, tem como objetivo chamar a atenção da população para a importância de se imunizar contra a doença. Todos os 92 municípios do Rio participam da operação de enfrentamento à doença.

 

No ato da vacinação, é necessária a apresentação do cartão de vacina para que seja feita a atualização. Quem não tiver o documento, deve apresentar a carteira de identidade. A vacina é destinada a pessoas acima de nove meses de idade até 59 anos. Os moradores acima de 60 anos devem passar por avaliação de um profissional de saúde. As mulheres que estão amamentando bebês menores de seis meses deverão suspender a amamentação por 10 dias após receber a vacina. Mulheres amamentando bebês maiores de seis meses podem tomar a vacina.

 

De acordo com a coordenadora do Setor de Imunização da Secretaria de Saúde, Marlene Fialho, o Dia D será mais uma chance das pessoas que não puderam se vacinar durante a semana se proteger contra a febre amarela. “As pessoas que trabalham durante o dia ou não tiveram tempo de irem às unidades de saúde terão mais uma oportunidade de se vacinar nesse sábado”, afirmou.

 

A meta da Secretaria de Saúde é imunizar 155 mil pessoas em Barra Mansa. Até quinta-feira (25), 123.669 mil pessoas já haviam sido vacinadas, ainda faltam 31.331 mil moradores. Para Marlene Fialho, esse fator pode influenciar na redução de tempo na fila. “Como a maioria da população já se vacinou, acreditamos que o tempo de espera na fila será bem menor, ainda mais que todos os postos estarão funcionando o dia todo”, destacou.

A coordenadora explicou que a vacina contra febre amarela não é indicada para alérgicos a algum componente da vacina e a ovos e derivados, pessoas que realizam terapias imunossupressoras, portadores de doenças autoimunes e HIV, transplantados de medula óssea, pacientes com histórico de doença do Timo e doenças neurológicas de natureza desmielinizante, pessoas com baixa imunidade e em tratamento de quimioterapia e radioterapia. “A recomendação é que evitem viajar para áreas de risco que tenham casos comprovados de febre amarela ou que possuem muitas matas e florestas, e que não se esqueçam de sempre usar repelentes”, finalizou Marlene Fialho.

Fotos: Paulo Dimas

Deixe uma resposta