Como parte do programa Alimentação Saudável, NASF promoveu capacitação com palestras sobre o Humaniza SUS, tabela nutricional de alimentos e compostagem

 

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) da Secretaria de Saúde de Barra Mansa promoveu na tarde desta quinta-feira, dia 22, uma capacitação para os Agentes Comunitários de Saúde sobre hortas caseiras como parte do programa Alimentação Saudável. Durante o encontro, realizado no Parque Natural Municipal de Saudade, os agentes participaram de diversas palestras. A primeira foi sobre o Humaniza SUS, programa para efetivar os princípios do SUS no cotidiano das práticas de atenção e gestão, qualificando a saúde pública no Brasil e incentivando trocas solidárias entre gestores, trabalhadores e usuários. Também sanaram dúvidas sobre tabela nutricional de alimentos com uma nutricionista e aprenderam como montar uma composteira doméstica e horta em casa com a bióloga da Secretaria de Meio Ambiente.

De acordo com o Coordenador do NASF, Wesley Abel, o intuito da capacitação é transformar os agentes em multiplicadores do que aprenderam para praticarem durante as visitas domiciliares. “Nós percebemos que diabetes e hipertensão arterial são duas das principais causas de morte no mundo, e que o fator principal é a alimentação inadequada com o consumo de produtos processados com muito açúcar e sódio”.

Ele destacou que a horta caseira é uma alternativa simples e fácil de produzir um alimento livre de agrotóxicos e acessível a todas as pessoas. “Nosso objetivo é fazer com que os agentes multipliquem o que aprenderam para a população, ensinando como fazer a composteira e a horta, de forma que seja possível manter uma dieta balanceada com recursos que têm em casa”, afirmou.

O NASF é formado por quatro equipes compostas por profissionais de diferentes áreas como nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais, fisioterapeutas e fonoaudiólogos. Cada equipe é responsável por cerca de dez Unidades de Saúde da Família, que atuam de maneira integrada com visitas domiciliares, atendimentos, grupos terapêuticos, Saúde na Escola, atividades educativas entre outros.

A nutricionista Nathalia Queiroz explicou que a horta caseira é um incentivo para que as pessoas parem de consumir produtos processados. “Por conta da praticidade do dia a dia e pela comodidade, muitas pessoas deixam o produto natural de lado e vão para os alimentos industrializados que acabam prejudicando a saúde delas”.

Os agentes experimentaram sucos naturais feitos com cascas de frutas e talos. Muitas vezes os restos são desperdiçados por falta de conhecimento. “A casca de abacaxi, por exemplo, possui mais fibra e vitaminas do que a própria fruta. Os talos de legumes como couve e espinafre também são ricos em nutrientes”, completou Nathalia.

Composteira doméstica e horta caseira

A Técnica de Agropecuária e Bióloga da Secretaria de Meio Ambiente, Lívia Costa, destacou a importância da compostagem para o Meio Ambiente e Saúde da população. “Além de reduzir o volume de lixo orgânico, com o composto pronto a terra pode se tornar mais fértil e contribuir para o fortalecimento nutricional do alimento”.

Para montar a composteira, é preciso dos seguintes materiais: duas garrafas pet, tesoura, cascas de verduras, frutas e legumes, terra, areia e água. O primeiro passo consiste em cortar uma das garrafas na parte de baixo para servir como recipiente para armazenar chorume. Da outra garrafa, a pessoa utilizará a parte de cima de uma garrafa para encaixar na parte de baixo da outra. Antes de encaixar as duas partes, coloque areia no reservatório do chorume para evitar o mau cheiro. Use um prego aquecido para fazer furinhos na tampa da garrafa que receberá os resíduos, assim, o líquido escoa facilmente.

O passo seguinte é encaixar a parte com a tampa para baixo na outra metade que servirá como reservatório do chorume. Em seguida, coloque uma camada de areia de mais ou menos 7 cm (camada clara). Cubra a areia com terra (camada escura). Coloque os restos de alimentos e cascas de vegetais. A última camada deve ser de terra. Para finalizar regue o conteúdo da composteira com água e faça uma touca com uma meia de náilon para evitar insetos.

Ela explicou que devem ser colocados na compostagem somente pedaços pequenos de legumes, verduras, frutas e outros alimentos crus, além de filtros e borra de café, cascas de ovos e saquinhos de chá. “Para produzir o adubo, o ideal é utilizar apenas alimentos orgânicos crus. Restos de cítricos como laranja, limão e abacaxi somente em pequena quantidade, pois fermentam muito e liberam ácido em excesso”.

A bióloga ressaltou também que o recipiente não deve ficar seco, pois o chorume resulta da umidificação de todos os ingredientes. Passados 60 dias de compostagem, o adubo estará pronto. “A pessoa pode misturar o adubo com a terra do plantio. Além de substituir o adubo químico, o alimento vai crescer rico em vitaminas e nutrientes”.

O chorume, que é o líquido produzido no final da garrafa, o morador pode utilizar como biofertilizante. “Basta misturar uma parte de chorume para cinco de água. Agitar o líquido e deixar descansar durante dois ou três dias, agitando novamente a cada 24 horas, para que os nutrientes possam ser liberados para a água. Depois é só regar as plantas ou colocar na terra”, concluiu. Ao final, os agentes receberam diversas mudas com alto valor nutricional e benefícios para a saúde como salsa, cebolinha, beterraba, cenoura e alface de diversos tipos: crespa, lisa, mimosa, roxa e americana.

 

Fotos: Chico de Assis

Deixe uma resposta